BLOG DAS SERVAS

Em Tempos de Pandemia



“Levante-se e desça à casa do oleiro” (Jr 18, 2).


Querida irmãs, querido irmão

Neste tempo de isolamento social e pandemia, escrevi quatro textos breves, partilhando com você aquilo que vou gestando no coração e contemplando na vida.

Venho lhe trazer um quinto texto para alimentar a sua, a nossa espiritualidade e dar um novo sentido ao tempo em que estamos recolhidas/os, em nossa casa, muito embora nosso pensamento e nosso coração “passeia”, “encontre pessoas”, planeje o pós pandemia...

Quero convidar você a dar “passeio” com sua imaginação, criatividade, seu desejo de algo novo. Sair do que nomeamos “rotina”, cansaço do “mesmo cotidiano”...

Procure um lugar tranqüilo e silencie sua mente, seu coração... Contemple seu “jardimsecreto”... Ouça no seu interior esta Palavra de Deus dirigida, hoje, à você:


“Levante-se e desça à casa do oleiro” (Jr 18, 2).


Os verbos do texto são uma ordem de Deus para o Profeta Jeremias e para você: “Levante-se e desça!”. Lembra do primeiro e segundo texto que escrevi sobre “Pandemia / travessia”, e lhe fiz o convite a “descer” para sua interioridade, lugar onde a vida mais bela nos espera e se revela? Este é o convite à Jeremias.

E Jeremias declara-se um homem seduzido por Deus: “Seduziste-me, Javé, e eu me deixei seduzir...” (Jr 20, 1). Comprometido com o seu povo e “seduzido” por Deus, Jeremias sempre é atento a voz de Deus. Contempla e busca compreender o que Deus lhe pede no seu cotidiano. No cotidiano, encontra-se o grande segredo para este tempo de pandemia: viver intensamente o cotidiano ‘em casa’, saber descer e deixar-se modelar pela Trindade Oleira.

A “cotidianidade de nossa vida está tecida de coisas simples, “ordinárias”, nada de “extra-ordinário”. A maioria das pessoas vive o ordinário com o anonimato que ele envolve.


No entanto, no seio do ordinário deste “isolamento social” pode brotar uma mudança, uma transformação, quando nosso coração é capaz de ouvir, contemplar e abrir-se aos “toques” da Trindade. “Se às vezes, há um fastio na rotina, não raro ela revela um mistério insondável” (Claudio Van Balen).

Quando assumimos o nosso cotidiano ordinário e o vivificamos com injeções de criatividade (pode ser uma ótima vacina) ele se torna lugar das experiências mais profundas, e a experiência é a sabedoria da vida. A experiência de Deus no cotidiano, nas coisas mais simples nos revela que tudo é sagrado e digno de ser cuidado. O cotidiano está sempre grávido de utopias, de sonhos, de criatividade. Ele também nos incom