MÊS DE OUTUBRO: MÊS MISSIONÁRIO EXTRAORDINÁRIO | SÍNODO PARA A AMAZÔNIA | FESTA DA MÃE APARECIDA

08/10/2019

“Sereis minhas testemunhas até os confins da terra” (At 1,8)

 

Vivenciamos o mês de outubro. Há poucos dias iniciou-se a primavera. Tempo novo, tempo de florescer. É um tempo que em que a Igreja nos convida a termos um olhar voltado para a missão, tendo em vista os milhares e milhões de irmãs e irmãos nossos trazendo as suas mais diversas necessidades existenciais: pobreza,  abandono, refúgio, violência, falta de conhecimento e adesão ao Deus de Jesus e até dúvida se esse Deus está mesmo do seu lado ou do lado dos que sempre ganham.

 

Neste ano, o mês de outubro está recheado de muitas propostas e convites:

  1. O Papa Francisco nos convoca a nos engajarmos concretamente no compromisso missionário, através do Mês Missionário Extraordinário, cujo tema é “Batizados e Enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo”

  2. A realização do “Sínodo para a Amazônia: Novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”

  3. A celebração de nossa Padroeira Nossa Senhora Aparecida, no dia 12 de outubro, cujo tema proposto pelo Santuário Nacional é: “Com Maria: escolhidos e enviados em missão”, em consonância com o Mês Missionário Extraordinário.

 

Batizados/as e Enviados/as

 

Um canto bem popular que a Igreja toda canta nos diz: Pelo batismo recebi uma missão, vou trabalhar pelo Reino do Senhor. Vou anunciar a boa nova para os pobres...”

 

Esse canto popular traduz de forma bem simples o que nos pede o tema do Mês Missionário deste ano. Todo batizado/a é um/a missionário/a ou tem o dever de ser. Por que não o fazemos? D. Pedro Casaldáliga, bispo emérito de São Felix do Araguaia – MT, escreveu há muitos anos, um subsídio bem simples, para o povo de sua prelazia, falando sobre o Batismo. Apesar do tempo passado, o questionamento continua muito atual. Ele diz que a maioria dos batizados “jogam o Batismo no lixo”. Por quê? Porque vão ou são levados à Igreja no dia do Batismo, tiram muitas fotos, hoje, compartilhadas nas redes sociais e tudo terminado. Muitos nem voltam mais à Igreja a não ser por uma necessidade especial ou participar de algum evento social. Não falamos somente em ir à Igreja, mas queremos realçar o compromisso recebido no Batismo: ser enviado/a em missão.

 

O Documento 105, da CNBB, por ocasião do Ano do Laicato, nos desafia já no seu tema e lema:  CRISTÃOS LEIGAS E LEIGOS NA IGREJA E NA SOCIEDADE: Sal da Terra e Luz do Mundo (Mateus 5,13-14). Isso significa que, independente de nosso lugar na Igreja (papa, bispos, padres, irmãs consagradas, irmãos consagrados, leigos e leigas, casados/as solteiros/as, consagrados/as), pelo Batismo, temos uma missão. Precisamos ser Sal e Luz, para quem não sente mais sabor na sua vida e para quem vive nas diferentes trevas que escurecem a existência de tanta gente. O Profeta Isaías nos inspira na sua corajosa resposta diante da pergunta de Deus: “A quem enviarei?” Ao que o jovem Isaías responde: “Eis-me aqui, Senhor, envia-me!”. (Is 6, 8). Precisamos desta coragem missionária a que o nosso Batismo nos convoca.

 

 Sínodo para a Amazônia: novo Pentecostes na Igreja

 

Mais um gesto profético de nosso Papa Francisco: a convocação para o Sínodo para a Amazônia. O selo da profecia está, principalmente nos pronunciamentos agressivos dos poderosos, que reivindicam para si o poder de serem os donos de tudo, inclusive de Deus. Arrogância já lembrada no Salmo 73(72), 9.11: “Contra o céu colocam sua boca... e dizem: acaso Deus conhece? Existe conhecimento em Deus?”  Todos os livros proféticos testemunham que os grandes e poderosos não suportam os profetas e sempre os perseguiram tirando de muitos a vida. É o destino dos profetas e mártires e Francisco, já na convocação do Sínodo, se inscreve nesta lista e está atraindo a ira dos grandes que vivem em função do lucro.

 

E o sonho do Papa Francisco se concretiza. Desde domingo, dia 06 até o dia 27, a Basílica de São Pedro, a sala sinodal, a Praça de São Pedro e todos os espaços do Vaticano estão repletos de uma imensa multidão. Além dos 257 bispos que foram convocados, circula por este espaço uma imensidão de convidados: indígenas, ribeirinhos, missionários e missionárias da Região Amazônica, teólogos e teólogas, mulheres e homens vindos dos mais longínquos rincões da imensa Amazônia que ocupa territórios de 9 países latino-americanos. Gente que traz suas línguas, suas tradições, seu jeito diversificado de vestir, sua cultura, seus símbolos, seus mártires e, principalmente, seus sonhos. E o Papa Francisco acolhe a todos e todas como o grande pai, a distribuir sorrisos e abraços, mas também fazendo ecoar sua palavra firme e profética. Na missa de abertura ele já denuncia: “O fogo ateado por interesses que destroem, como o que devastou recentemente a Amazônia, não é o do Evangelho. O fogo de Deus é calor que atrai e congrega em unidade. Alimenta-se com a partilha, não com os lucros”.

A sessão sinodal do primeiro dia iniciou com uma procissão até a Basílica de São Pedro, completamente vazia de bancos e altares para dar lugar aos símbolos e cartazes lembrando os mártires do Evangelho, mortos em nome do Reino, sobretudo os da Amazônia. E Francisco caminhou com o povo, todo o trajeto, fazendo deste Sínodo uma peregrinação com os povos representados por todos e todas que vivem este grandioso momento. “Foi bonito viver essa peregrinação. Cheguei perto do Papa. Fiquei feliz. O Papa hoje olha para os povos indígenas e pela natureza. Ele chega perto da gente, se aproxima. Eu o presenteei com meu cocar que eu mesma fiz, com minhas mãos”, disse um dos participantes indígenas. E o Sínodo continuará até o final do mês. Quantas surpresas ainda teremos?

 

E em meio a todas essas notícias lindas e a reflexão frutuosa do Mês Missionário Extraordinário, a Mãe Aparecida caminha no meio de nós, com suas bênçãos e seu carinho, sobretudo, sobre os povos da Amazônia, que também a veneram com o título de Nossa Senhora da Amazônia, cuja imagem partilhamos.

 

 

Ir. Rosa Maria Gomes

Serva da Santíssima Trindade

 

 

Compartilhe
Compartilhe
Please reload

73 anos de fundação da congregação

15.06.2019

Curso de Extensão Cultural em Pastoral Vocacional

14.11.2018

Santidade o que é?

O mês de novembro inicia comemorando “Todos os Santos”. É importante meditar nisto: Os Santos já não tem um dia  em que celebramos n...

Santidade o que é?

01.11.2018

1/4
Please reload